quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

FELIZ ANO NOVO!

mereça ser F E L I Z em

Boas Festas e Feliz Ano Novo!

Família Feliz Casa do Caminho Fundação Esperança Barra Mansa/RJ

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

DECIDI TRIUNFAR

"Decidi Triunfar", Walt Disney

E assim, depois de muito esperar, num dia como outro qualquer, decidi triunfar.
Decidi não esperar as oportunidades e sim, eu mesmo buscá-las.
Decidi ver cada problema como uma oportunidade de encontrar uma solução.
Decidi ver cada deserto como uma possibilidade de encontrar um oásis.
Decidi ver cada noite como um mistério a resolver.
Decidi ver cada dia como uma nova oportunidade de ser feliz.

Naquele dia descobri que meu único rival não era mais que minhas próprias limitações e que enfrentá-las era a única e melhor forma de superá-las.
Naquele dia, descobri que eu não era o melhor e que talvez eu nunca tenha sido.
Deixei de me importar com quem ganha ou perde.

Agora, me importa simplesmente saber melhor o que fazer.
Aprendi que o difícil não é chegar lá em cima, e sim deixar de subir.
Aprendi que o melhor triunfo que posso ter é ter o direito de chamar a alguém de "Amigo".
Descobri que o amor é mais que um simples estado e enamoramento,
"o amor é uma filosofia de vida".

Naquele dia, deixei de ser um reflexo dos meus escassos triunfos passados e passei a ser a minha própria tênue luz deste presente.
Aprendi que de nada serve ser luz se não vai iluminar o caminho dos demais.
Naquele dia, decidi trocar tantas coisas...
Naquele dia, aprendi que os sonhos são somente para fazer-se realidade.
E desde aquele dia já não durmo para descansar...
Agora simplesmente durmo para sonhar.
(Walt Disney)

domingo, 27 de dezembro de 2009

APRENDER A FAZER

"Não nos referimos, porém, à educação moral pelos livros e sim à que consiste na arte de formar os caracteres, à que incute hábitos, porquanto a educação é o conjunto dos hábitos adquiridos."
O Livro dos Espíritos - Questão 685-A

A informação espírita é cultura, e a cultura em si não abriga o saber,
porque o saber implica o uso da informação para gerar a transformação - meta essencial da proposta espírita.

(...) o estudo minucioso do saber como fazer inclui a interação do aprendiz com os veiculadores do conhecimento em tarefas grupais, participativas, dialogais, com plena troca de informações na construção do saber.

Podemos deixar algumas questões, entre diversas, que nos compete formular, a fim de aquilatar a extensão do quanto temos que aprender acerca do como fazer. São elas:

Como aprender a dialogar?
Como amar a si mesmo?
Qual fórmula para efetivar o perdão verdadeiro?
Qual o remédio para o melindre?
Existe uma forma de controle da irritação?
Como vencer os conflitos sexuais?
Como amar inimigos?
Como superar os impulsos mentais de violência?
Como dominar as desordens nos raciocínios, quando nos encontramos sob pressão?
Como discordar e criticar sem gostar menos?
Qual o caminho para formar uma equipe harmoniosa?
Qual a forma prática para sermos bons parceiros dos bons espíritos?
Como penetrar nos labirintos do personalismo em nossa intimidade?
Como fazer o autoconhecimento?

O momento das vivências espíritas conclama uma tomada de posição nova.
(...) o saber fazer implica um compromisso de grandes proporções, concitando-nos a mudanças de profundidade.

Fonte: livro MEREÇA SER FELIZ, pelo Espírito Ermance Dufaux - cap. 16, Aprender a Fazer

sábado, 26 de dezembro de 2009

NÃO FAÇA TEMPESTADE EM COPO D'ÁGUA

Muitas vezes nos desgastamos por coisas que, examinadas em detalhe,
não merecem tanta atenção.
Nós nos detemos em pequenos problemas e questões e os superdimensionamos.
Um estranho, por exemplo, pode nos dar uma fechada no trânsito.
Em vez de esquecê-lo, e continuarmos em frente, tocando o dia, nos convencemos de que este motivo é mais do que suficiente para nossa raiva.
Nós imaginamos o confronto em nossas mentes.
Muitos de nós, inclusive, podem vir a narrar para outras pessoas o incidente,
em vez de simplesmente esquecê-lo.
Por que não deixar, simplesmente, que o mau motorista tenha seu acidente alhures?
Tente sentir compaixão por esta pessoa e pense como deve ser terrível ser obrigado a ter tanta pressa.
Deste modo, podemos manter nosso próprio senso de bem-estar,
sem incorporarmos o problema do outro.

Há muitas outras “tempestades” como essa.
Exemplos que ocorrem todos os dias, em nossas vidas.
Quando temos que esperar numa fila,
quando ouvimos críticas injustas,
ou fazemos a parte do leão de algum trabalho.
Só temos a ganhar ao aprender a não nos deixarmos levar por esses pequenos aborrecimentos.
Tantas pessoas perdem tanta energia de suas vidas
“fazendo tempestades em copos d’água”,
que perdem o contato com o lado mágico e belo da existência.
Quando você se compromete a trabalhar com esse objetivo em mente, percebe que sobra uma reserva muito maior de energia para ser dedicada à simpatia e à gentileza.

Fonte: livro NÃO FAÇA TEMPESTADE EM COPO D’ÁGUA...e tudo na vida são copos d’água... - de Richard Carlson, Ph.D.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

ONDE NASCEU JESUS?

Qualquer criança tem a resposta errada na ponta da língua: Belém.
A questão não é simples.
Era de conhecimento amplo, no círculo de Jesus, durante sua vida, que ele era de Nazaré, na Galiléia, assim como seus pais.

Para fazê-lo nascer na mais prestigiosa Belém, na Judéia, célebre entre os judeus por ser o berço de Davi, e para conciliar este fato com a arqui-sabida origem nazarena de Jesus, os dois únicos evangelistas que tratam de sua infância – Mateus e Lucas – recorrem a expedientes complicados e, lastimavelmente, contraditórios entre si.

Mateus dá a entender que a família morava em Belém, e que de lá fugiu para escapar do massacre dos recém-nascidos ordenados por Herodes. Num longo desvio, vão parar no Egito e, na volta à Palestina, por julgar ainda Belém um lugar perigoso, José decide estabelecer-se em Nazaré.

Lucas, por seu lado, parte do princípio oposto de que José e Maria moravam em Nazaré. Mas em função do censo ordenado por Augusto, em que todas as pessoas deveriam se registrar não no local onde residiam, mas no de origem dos seus antepassados, deslocaram-se a Belém, terra dos antepassados de José.

Não só não houve esse censo como a totalidade dos historiadores da Antiguidade jamais captou sinal de que um censo romano, cuja finalidade era a mais direta possível – taxar as pessoas -, pudesse ser orientado no sentido de forçá-las a procurar a cidade dos antepassados, o que, além de não oferecer resultado prático perceptível, configuraria um transtorno logístico de consideráveis proporções, com vastas multidões se deslocando de um lado para o outro.
O nascimento em Belém convinha aos evangelistas para fazer cumprir antigas profecias de que o Messias viria da cidade de Davi.

No livro “Vida de Jesus”, de Ernesto Renan, encontramos no capítulo 2:
Jesus nasceu em Nazaré, pequena cidade da Galiléia, que antes desse importante acontecimento não teve nenhuma celebridade. Durante toda a sua vida foi conhecido pelo nome de “Nazareno”, e só após entrarmos por um atalho bem complicado é que seremos capazes de entender o porquê da lenda que diz ter ele nascido em Belém.”

domingo, 20 de dezembro de 2009

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

COMEMORE AS PEQUENAS VITÓRIAS


Muitas pessoas permanecem à espera de grandes acontecimentos em suas vidas, almejam grandes realizações e grandes vitórias.
Essa postura não é aconselhável, porque correm o risco de se frustrar.
Talvez, você não terá grandes acontecimentos em sua vida.
Aprenda a se satisfazer com as pequenas vitórias.

Uma boa nota na Faculdade...
Um "oi" daquela "gata" que mora na sua rua e nunca havia olhado para você...
Uma promoção no seu trabalho...
A cura de uma doença...
São situações que merecem uma comemoração.
É a somatória de pequenas vitórias do dia-a-dia
que o transformará num vitorioso perante a vida.

Reflita: Quando você acorda, comemora mais um dia da sua existência?
Num mundo competitivo em que vivemos,
você comemora o emprego que tem?
Você comemora quando consegue construir um "puxadinho" na sua casa,
que era muito pequena?

Enfim: Comemore sempre, comemore os pequenos acontecimentos!
Só ofato de você estar vivo já é motivo para uma grande comemoração.

Fonte: livro É HORA DE SER FELIZ, de Aguinaldo Paviani

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

UM TESTE PARA SUA AUTOANÁLISE

No domingo passado, abordei a necessidade do autoconhecimento para progredirmos espiritualmente. Neste sentido, a primeira coisa a fazer segundo Sócrates, o grande filósofo grego, é conhecer-se a si mesmo, aliás, a chave do nosso progresso moral, conforme esclarece a questão 919 de "O Livro dos Espíritos", de Allan Kardec.

E para facilitar essa autoanálise, apresento aqui um teste, como prometi na coluna da semana passada.
Boa sorte!
Para tanto, responda com sinceridade as perguntas a seguir, marcando "S" quando sua resposta for "sim", "N" para "não", e "X" para "mais ou menos", quando for o caso.

Você perdoa sempre as ofensas recebidas? ( )
Procura não falar mal dos outros? ( )
Tem paciência para ficar numa fila? ( )
Sente arrependimento quando faz algo errado? ( )
É incapaz de falar palavrão? ( )
Consegue não guardar ressentimentos? ( )
Evita dramatizar suas doenças? ( )
Frequentemente usa de franqueza exagerada? ( )
Procura não gastar mais do que dispõe? ( )
Visita seus parentes ou amigos enfermos? ( )
Jamais fica feliz com o fracasso do inimigo? ( )
Evita queixar-se sistematicamente de tudo e de todos? ( )
Ajuda o próximo sem esperar recompensa? ( )
É capaz de repetir com paciência mais de cinco vezes a mesma resposta quando a outra pessoa não entende? ( )
Trata seus familiares como trata suas visitas? ( )
Consegue vencer sempre seu mau humor? ( )
Nunca faz amizade por interesse? ( )
Gosta de receber elogios? ( )
E de receber críticas? ( )
Procura fazer planos e realizá-los? ( )
Consegue dominar o seu medo e manter a confiança? ( )
Você procura falar menos e ouvir mais os outros? ( )
Não condena o próximo antes de apurar se ele é culpado? ( )
Chega sempre na hora para seus compromissos? ( )
Procura dominar os vícios? ( )
É incapaz de condenar quem não pensa como você? ( )
Não se irrita com facilidade? ( )
Você tem orado a Deus, agradecendo o dom da vida? ( )

Caso você tenha marcado menos de 15 Sim, é sinal que é preciso mais esforço na sua transformação moral, para um dia, como Jesus, ser um espírito perfeito.
Como desta vez consegui marcar 20 Sim, é sinal que ainda preciso melhorar!

Gerson Simões Monteiro
Vice-Presidente da Funtarso

(esta publicação foi uma colaboração da Ana Lucia)


segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

HUMANIZAR 2010


Este portal é de todos que trabalham pelo Humanizar.
Para acessá-lo clique no link acima.

domingo, 13 de dezembro de 2009

UNIÃO

Nunca insistiremos em demasia na necessidade de união entre nós, os adeptos da Doutrina.
União sincera, por dentro e por fora de nós mesmos e não aparente, disfarçando a animosidade.
União que nos faça espontâneos na alegria de trabalharmos em conjunto, sem que ninguém se sinta maior do que outro.
Não criemos privilégios que não existem na Doutrina.
O nosso maior privilégio será o de servir sempre!
Estendamos as mãos aos companheiros iniciantes e não estabeleçamos, na gleba de nosso esforço, qualquer tipo de competição.
O espírito de competição arrasa qualquer grupo...
Convençamo-nos de que a essência da Doutrina ainda está para ser apreendida por nós - por todos nós!
Ninguém se sinta excluído de semelhante realidade.
Com enorme facilidade, os cargos que ocupamos podem nos subir à cabeça, subtraindo-nos a lucidez e o discernimento.
Quem, na seara espírita, se distancia da caridade, não sabe a que perigos está se expondo!...


Fonte: livro DOUTRINA VIVA, pelo Espírito Francisco C. Xavier

sábado, 12 de dezembro de 2009

PALESTRAS DE DEZEMBRO

PALESTRAS PÚBLICAS
CASA DO CAMINHO
Estrada Barra Mansa x Bananal, 2801 - Km 4

Cotiara – Barra Mansa/RJ
AOS SÁBADOS - às 19h30

DEZEMBRO / 2009

DIA TEMA EXPOSITOR
05 Mundos Regeneradores - ESE cap 3 SANTANA
12 O Mal e o Remédio - ESE cap 4 RONI
19 Necessidade da Encarnação - ESE cap 5 HERCÍLIA
26 O Jugo Leve - ESE cap 6 SERGIO

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

CAMINHA E CHEGARÁS


Não dês guarida aos maus pensamentos.
Reage contra todo e qualquer estado de abatimento que persista em ti.
A idéia acalentada tende a se expressar em ação.
A influência espiritual negativa nasce das horas ociosas.
Não te permitas descansar além do devido.
Ocupa as tuas mãos com o bem, e a tentação se afastará.
Na medida de tuas possibilidades, auxilia a quem sofre.
Não te concentres excessivamente nos teus próprios problemas nem dramatizes a tua dor.
A prova é a tua oportunidade de redenção.
Caminha e chegarás.

Fonte: livro VIGIAI E ORAI, pelo Espírito Irmão José, pelo médium Carlos A. Baccelli

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

MEDICINA DA ALMA (Figura 16)


Mãos invisíveis orientam o ser
humano no estudo cujo objetivo é o
crescimento do ser. Pela intuição, a
pessoa é levada ao encontro das
respostas que procura.

"O cultivo dos bons pensamentos, de posturas equilibradas
e otimistas, regados pela leitura edificante,
evita que o serhumano se entregue às sombras das neuroses e psicoses.
Estas, em sua maioria, são processos de influenciação de
idéias, seja entre encarnados ou desencarnados".

Do livro Medicina da Alma, p. 205.
Robson Pinheiro, pelo Espírito Joseph Gleber.
Ilustração: Figura 16 do Caderno Ilustrado de Bioenergética Medicina da Alma.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

PARALISIA E AUTOESTIMA


“E vieram ter com ele conduzindo um paralítico, trazido por quatro.”
Marcos, 2:3

Quanto mais as experiências o castigam com sofrimentos e tribulações,

mais desamor você cultiva para consigo mesmo.
Você se arrepende, se desanima, se desespera, julgando-se incapaz.
Pare um pouco e medite.

A escassez de estima o leva a novas quedas, aumenta sua tristeza e nada resolve.
Aquele paralítico da passagem evangélica, depois de esmorecer quase por completo junto ao leito da miséria afetiva no desprezo a si mesmo, teve, então, a humildade de rogar intercessão àqueles quatro auxiliares que o levaram a Jesus.
Assuma esse compromisso e vença a paralisia do desleixo,
da descrença e da raiva de si mesmo.

Perdoe, rogue amparo e supere o doloroso leito de suas provas cerceadoras.
O triunfo perante suas mazelas será fonte de independência,
caminho de enriquecimento pessoal e acesso à liberdade.
Antes, porém, aprende a pedir socorro de suas dores.

Fonte: livro RECEITAS PARA A ALMA, pelo Espírito Ermance Dufaux,
pelo médium Wanderley Oliveira.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

QUESTÃO 1019


O reino do bem poderá um dia realizar-se na Terra?

O bem reinará na Terra quando, entre os Espíritos que vêm habitá-la, os bons predominarem sobre os maus; então eles farão reinar na Terra o amor e a justiça, que são a fonte do bem e da felicidade.
Pelo progresso moral e praticando as leis de Deus é que o homem atrairá para a Terra os bons Espíritos e afastará os maus; mas os maus só a deixarão quando o homem tiver expulsado de si o orgulho e o egoísmo.
A transformação da humanidade foi anunciada e é chegado o tempo em que todos os homens amantes do progresso se apresentam e se apressam, porque essa transformação se fará pela encarnação dos Espíritos melhores, que formarão sobre a Terra uma nova ordem.
Então, os Espíritos maus, que a morte vai retirando a cada dia, e aqueles que tentam deter a marcha das coisas serão excluídos da Terra porque estariam deslocados entre os homens de bem dos quais perturbariam a felicidade.
Eles irão para mundos novos, menos avançados, desempenhar missões punitivas para seu próprio adiantamento e de seus irmãos ainda mais atrasados.

Nessa exclusão de Espíritos da Terra transformada
não percebeis a sublime figura do paraíso perdido?
E a chegada à Terra do homem em semelhantes condições, trazendo em si o gérmen de suas paixões e os traços de sua inferioridade primitiva,
a figura não menos sublime do pecado original?
O pecado original, sob esse ponto de vista, se refere à natureza ainda imperfeita do homem, que é, assim, responsável por si mesmo e por suas próprias faltas e não pelas faltas de seus pais.
Todos vós, homens de fé e boa vontade, trabalhai com zelo e coragem na grande obra da regeneração, porque recolhereis cem vezes mais o grão que tiverdes semeado.
Infelizes aqueles que fecham os olhos à luz. Preparam para si longos séculos de trevas e decepções; infelizes os que colocam todas as suas alegrias nos bens deste mundo, porque sofrerão mais privações do que os prazeres de que desfrutaram; infelizes, principalmente, os egoístas, porque não encontrarão ninguém para ajudá-los a carregar o fardo de suas misérias.

São Luis, O Livro dos Espíritos

domingo, 22 de novembro de 2009

VIGIAI NO SENHOR


Filhos, ninguém sobre a terra nunca se vigiará o bastante, nos arrastamentos a que o mal o conclame a cada instante.
Quando o homem se julga fortalecido o suficiente e dispensado de se manter contra as tentações, é que para ele há perigo de queda.
Quem se reconhece fragilizado e não descuida da vigilância sobre si, dificilmente cai.
Os que consideram suficientes, desprezando os pontos de apoio que lhes garantiu o equilíbrio até onde chegaram, estão na iminência de se precipitarem no abismo de mais amargas desventuras.
O exercício da humildade, com o reconhecimento sincero da própria insignificância, impede que o homem se entregue ao fascínio de si mesmo e se imunize do assédio da obsessão.
Paulo, o apóstolo dos Gentios, escreveu inspiradamente em uma de suas cartas que quando se supunha forte é que verdadeiramente se revela frágil...
O mal possui raízes profundas na lama dos homens, difíceis de serem extirpadas de modo a que não mais se vitalizem.
Qualquer inclinação infeliz carece de ser vigiada, como o cancerologista vigia o tumor nas suas metástases.
Ninguém deve permitir-se oportunidades para que a sua tendência negativa se manifeste, ninguém faça incursões sobre o terreno que no mundo de si mesmo, não conheça palmo a palmo...
O trabalho, sem dúvida, é o mais seguro abrigo para quem esteja com o propósito de refugiar-se, temendo mais a si que aos outros.
Filhos, a vitória definitiva sobre os vossos vícios e costumes degradantes não será alcançada sem que vos disponhais a derramar muitas lágrimas na resistência pacífica e voluntária ao mal em vós mesmos.
A semente não medra em gleba que não lhe seja propícia.
Vigiai os vossos pensamentos, os vossos olhos, os vossos ouvidos, as vossas mãos...
Vigiai no Senhor para que o Senhor vos vigie.

Bezerra de Menezes

sábado, 21 de novembro de 2009

SABEDORIA

“Melhor do que o ouro é adquirir sabedoria, e adquirir
discernimento é melhor do que a prata”
(Salomão – Provérbios, 16:16)

Por Claudio Fajardo

É de todos os tempos a luta do homem pela melhoria de sua vida e pela conquista da felicidade. No princípio, o instinto de sobrevivência o fazia demarcar territórios onde já desde aquela época, sonhava em construir seu ninho doméstico e conquistar em família a tão almejada paz.
Todavia, a morte ou a enfermidade daqueles que lhe eram afins, a falta de recursos para superar as intempéries da natureza, além de outras dificuldades que encontrava para dominar o desconhecido, que sempre o apavorava, eram grandes desafios que necessitavam ser por ele vencidos a fim de poder alcançar o objetivo que o impingia sempre à frente.
O tempo se passava e pouco a pouco, e ele mesmo desobstruía seu caminho em favor de mais conforto e progresso com novas conquistas no campo da ciência.

Hoje, com a evolução da tecnologia, da informação e da ciência, que vão a ritmos acelerados, pode-se dizer que quase não há limites para o homem do terceiro milênio.
Cada dia que passa, porém, apesar do domínio de várias enfermidades, da inexistência da distância entre os elementos que se gostam e do total conforto que reina em favor da comodidade do homem, cresce no mesmo ritmo o aparecimento das angústias, da depressão e da ânsia de harmonia na intimidade das criaturas.
Por que isso se dá?
Tal sentimento não é um paradoxo se analisarmos as enormes
possibilidades da humanidade?
Teria o homem errado o alvo?
Parece que sim,
e a causa está em que busca ele fora o que só poderia encontrar dentro de si.

ENTENDER, CULTIVAR, ALIMENTAR
A ânsia do ouro, da prata, do poder, entre outras, foram as motivações primeiras que levaram o homem a vencer grandes obstáculos, porém, a ser derrotado por si mesmo. Grandes conquistas foram feitas, e isso é muito bom, e até natural; todavia, e o cuidado pela edificação de si mesmo, por onde andou? Domina-se o espaço, a natureza e, em muitos casos, até as enfermidades; porém, é-se escravo das posses, dos desejos e da aparência.
Diz o livro sagrado: “Melhor do que o ouro é adquirir sabedoria”.
Que sabedoria é essa, senão o conhecimento de si mesmo?
Ou ainda, a vivência prática pelo menos daquilo que já se conhece?
Disse o Cristo há dois mil anos: Ame! Contudo, o castelo do egoísmo cresce a cada dia.
O homem grita: “Odeio a guerra, amo a paz”, porém, alimenta a primeira e destrói a segunda, na intimidade do próprio irmão.

Há luta pelo ouro; e a sabedoria, o que é isso? Não se sabe, nem se procura saber.
Complementa o texto de Salomão: “Adquirir discernimento é melhor do que a prata”; no entanto, quanta luta, quanta destruição, quantos aleijados,
simplesmente por que não se aplicou a compreensão.
Paremos um pouco, meditemos, como poderia mudar a vida de cada um de nós se esta palavrinha – discernimento -, fosse aplicada em nosso dia-a-dia.
Estaria extinta a mágoa, e com esta a vingança. Entenderia-se o anseio do próximo, findaria a guerra. Cultivaria-se a fraternidade, alimentaria-se o amor.
Discernimento, gênese da felicidade.

Conquista que nem o ouro, nem a prata aproximaram de nós...
Portanto, escutemos o verbo que soa nos convidando:
“Quem guarda o mandamento guarda a vida, quem despreza os seus caminhos morrerá”. (Salomão – Provérbios, 19:16)

Cláudio Fajardo é escritor com quatro títulos publicados:
Jesus Terapeuta, vols I e II; O Sermão do Monte; e Sermão Profético.
Este texto faz parte de seu próximo lançamento, o livro Seja Feliz.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

ORAÇÃO DA SERENIDADE


A Oração da Serenidade foi escrita pelo teólogo protestante Reinhold Niebuhr que viveu de 1892 até 1971 e trabalhava no Union Theological Seminary, nos Estados Unidos da América.
É utilizada por grupos de ajuda mútua, tais como Alcoólicos Anônimos e Neuróticos Anônimos, representando uma síntese dos esforços que devemos desenvolver para vencermos a nós próprios e aprendermos a exercer nossa vontade.
Em sua parte básica, mais conhecida popularmente a oração diz assim:

Concede-me, Senhor,
a serenidade necessária
para aceitar as coisas que não posso modificar,
coragem para modificar as que eu posso
e sabedoria para distinguir uma das outras.

Nessa oração podemos destacar quatro virtudes ou comportamentos básicos essenciais para a aquisição do equilíbrio e da harmonia com o mundo em que vivemos:
serenidade, aceitação, coragem e sabedoria.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

CARÊNCIAS

"Mediante a organização que nos deu, não traçou a Natureza o limite das nossas necessidades?

"Sem dúvida, mas o homem é insaciável. Por meio da organização que lhe deu, a Natureza lhe traçou o limite das necessidades; porém, os vícios lhe alteraram a constituição e lhe criaram necessidades que não são reais."

O Livro dos Espíritos - Questão 716

Carência é o estado íntimo de insatisfação que surge da privação de alguma necessidade pessoal, cujo principal reflexo é o sentimento de infelicidade.
(...)
Na ótica afetiva, é um processo de desnutrição que pode ter-se iniciado na infância ou até mesmo em outras reencarnações. Advém de desejos recalcados, expectativas não colimadas, frustrações não superadas; uma descompensação emocional pelas experiências traumáticas mal elaboradas, gerando episódios de conflitos e sofrimentos no automatismo da vida mental.
A maior carência humana é de afeto e carinho,
sem os quais ninguém se sente humanizado.
(...)
No estágio atual da Terra, a carência do afeto, quase sem exceções, está subordinada aos ditames da lei de retorno.

Fonte: livro MEREÇA SER FELIZ, pelo Espírito Ermance Dufaux

domingo, 15 de novembro de 2009

UMA RECEITA INFALÍVEL


Especialmente neste capítulo, não desejo ofertar-lhe uma sugestão, mas uma receita.
De todos os capítulos do livro, este é o único que traz uma receita.
Se você fracassou em todas as tentativas de ser feliz, busque a Jesus.

Ninguém amou tanto quanto Ele...
Ninguém foi tão feliz, vivendo momentos de tanta angústia...
Amou aos inimigos...
Perdoou aos traidores...
Em momento algum perdeu a serenidade...
Foi feliz num ambiente inóspito...
Soube, como ninguém, administrar as emoções...

Este homem chama-se Jesus de Nazaré.

Independente de sua religião, digo-lhe que o roteiro que Jesus deixou para a Humanidade é a receita mais eficaz para ser feliz.
Se você já tentou de tudo, experimente a mensagem de amor semeada pelo Cristo.

Jesus é o caminho para a verdadeira felicidade.

Fonte: livro É HORA DE SER FELIZ, de Aguinaldo Paviani

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

SANTO AGOSTINHO

Agostinho nasceu em 13/11/354, em Tagaste, África do Norte (atual Argélia)

Um dos grandes santos da fé católica , Agostinho produziu, segundo ele próprio, inacreditáveis 230 obras. As mais conhecidas são sua autobiografia, as Confissões, em que narra sua vida pecaminosa e a descoberta de Deus, e a Cidade de Deus, sua descrição do reino divino.

Agostinho foi criado como um cristão por sua mãe na África do Norte, mas, na juventude, quando estudava em Cartago, ficou insatisfeito com a aparente simploriedade das escrituras cristãs. Em busca de uma religião digna de um filósofo, tornou-se neófito dos maniqueístas, seita fundada pelo profeta Mani, crucificado na Pérsia em 277.

Embora, segundo suas Confissões, o tempo que passou em Cartago e nas proximidades, estudando e depois ensinando, tenha sido bastante licencioso, aos 18 anos, foi morar com a mãe de seu filho. Não se sabe po que nunca se casaram; talvez ela fosse ex-escrava, caso em que o casamento seria proibido pela lei romana.
Em 384 a família mudou-se para a Itália, onde Agostinho entrou em contato com o neoplatonismo, que, vencendo sua relutância, ajudou a convencê-lo a se reconverter ao cristianismo em 386. Ele retornou à Africa do Norte em 391, agora preparado para uma vida de celibato, e tornou-se presbítero e, mais tarde, bispo de Hipona. Fundou uma comunidade de discípulos em sua cidade natal, Tagaste, na Numídia.
Morreu em Hipona aos 75 anos, quando a cidade estava cercada por vândalos que, em seguida, a saquearam.
Esse espírito foi convidado a participar da equipe do Espírito da Verdade e suas ponderações podem ser encontradas em vários momentos da Obra Kardeciana, entre eles em O Livro dos Espíritos (Prolegômenos, resposta às questões 495, 919 e 1009), O Evangelho segundo o Espiritismo (cap. III, itens 13 e 19; cap. V, item 19; cap. XII, itens 12 e 15; cap. XIV, item 9; cap. XXVII, item 23), O Livro dos Médiuns (cap. XXXI, dissertações de número 1 e XVI - Acerca do Espiritismo / Sobre as Sociedades Espíritas).
Fonte: livro FILOSOFIA, de Stephen Law, ed. Zahar

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

ALIMENTO DA FÉ


Quantos são os que, por excesso de discussão, não se aprofundam no abismo da descrença que cavam para si mesmos?
A compreensão é alimento da fé.
Compreender o companheiro imaturo, o amigo que, embora bem intencionado, estima centralizar o poder, o irmão que ainda não aprendeu a servir sem criar problemas à sua volta...
A Doutrina, que é a mais pura emanação do Evangelho, leva a imediata aplicação em nossos olhos, em nossas mãos, em nossa palavra!
Os que falam e não fazem perdem a credibilidade em si.
A mais discreta concessão ao mal escancara a porta do nosso mundo íntimo para a invasão das trevas.
Precisamos nos esforçar para agirmos conforme falamos.
Quem não vive consoante o que pensa edifica sobre a areia...
O espírita, em seu próprio favor, necessita de coerência pessoal.
Por estranho que pareça, contamos mais com incrédulos que se dizem religiosos do que com os que realmente são cépticos da existência de Deus.

Fonte: livro DOUTRINA VIVA, pelo Espírito Francisco C. Xavier,
psicografado pelo médium Carlos A. Baccelli

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O TRATAMENTO DO AMOR

BEM NO CENTRO DE MEU SER existe uma fonte infinita de amor.
Eu agora permito que esse amor flua para a superfície.
Ele enche meu coração, meu corpo, minha mente, minha consciência, todo meu ser, e irradia de mim em todas as direções, voltando para mim multiplicado.
Quanto mais amor eu uso e dou, mais tenho para dar, porque a fonte é inesgotável.
O exercício do amor me faz SENTIR BEM, o que é uma expressão de minha alegria interior.
Eu me amo.
Portanto, cuido amorosamente de meu corpo.
Carinhosamente eu o alimento com comidas e bebidas saudáveis, carinhosamente eu o arrumo e visto, e meu corpo carinhosamente me responde com vibrante saúde e energia.
Eu me amo.
Portanto dou a mim mesmo um lar confortável, que atende a todas as minhas necessidades e onde moro com prazer.
Encho os cômodos com a vibração do amor e assim, todos que nele entram, eu inclusive, sentem esse amor e são nutridos por ele.
Eu me amo.
Portanto, tenho uma atividade profissional que executo com verdadeiro prazer, onde uso meus talentos e habilidades criativas e entro em contato com pessoas que eu amo e que também me amam, obtendo uma renda mais do que satisfatória.
Eu me amo.
Portanto comporto-me amorosamente e com amor penso nos outros, porque sei que, aquilo que dou, volta para mim multiplicado.
Atraio para meu mundo apenas pessoas amorosas, pois elas são um reflexo de mim.
Eu me amo.
Portanto vivo totalmente no presente, gozando cada minuto e sabendo que meu futuro é alegre, brilhante e seguro, pois sou um filho amado do universo que amorosamente cuida de mim agora e para sempre.
E assim é.
Fonte: livro CURE SEU CORPO, de Louise. L. Hay

sábado, 7 de novembro de 2009

PERDAS


Perdas
“Mas ajuntai tesouros no céu...” - Mateus, 6:20

Mesmo guardando prudência e moderação, serás convocado ao aprendizado do desapego.
Na condição de usufrutuário passageiro das bênçãos que te felicitam, não obterás certidão de posse sobre tais recursos.
Não existem perdas reais no universo, porque nada pertence a ninguém.
Quando a vida te convidar às necessárias renovações, ainda que sofras a dolorosa cirurgia do desprendimento, mantém-te no controle de ti mesmo.
Hoje é o filho que muda, amanhã um vinculo que parte, depois é um bem surrupiado, mais além um emprego que é retirado.
Não são perdas, são mudanças.
Guarda calma e equilíbrio para que entendas o “recado” de Deus a ti endereçado nas alterações que a existência te conclama.
As dores das perdas são preciosos receituários contra as ilusões que carregamos.

Mensagem psicografada pelo médium Wanderley Soares de Oliveira, em 17 de novembro 2007,
na SED – Sociedade Espírita Ermance Dufaux, em Belo Horizonte, Minas Gerais.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

PALESTRAS DE NOVEMBRO


PALESTRAS PÚBLICAS
CASA DO CAMINHO
Rua Ary Fontenelle, 560 - Estamparia - Barra Mansa/RJ
AOS SÁBADOS - às 19h30 - (em frente à APAE)

Temas relacionados com o PROJETO CRESCER

NOVEMBRO / 2009

DIA TEMA EXPOSITOR

07 Ação da Prece. Transmissão do Pensamento - ESE cap 27 CRISTIANE

14 Oração Dominical - ESE cap 28 SOARES

21 O Espiritismo - ESE cap 1 ÂNGELA

28 A Realeza de Jesus - ESE cap 2 VALDÉIA

domingo, 1 de novembro de 2009

ORAÇÃO, SILÊNCIO E TRABALHO


Trio Infalível
No grupo doutrinário que cultiva a sinceridade e o desejo de aprender, quando comparece a presença do conflito improdutivo é hora de soar o alarme da vigilância.
Existem muitos companheiros bem intencionados e dispostos ao trabalho que anseiam pela liberdade irrestrita para exercerem seus papeis, a título de competência e bons resultados. No entanto, nos grupamentos inspirados no Cristo, esse tipo de postura expressa o sutil movimento do personalismo que rejeita o buril educativo da crítica fraterna e da correção necessária.
Muito justo que, nas tarefas coletivas dos grupos transparentes, tenhamos planos e metas, aspirações e projetos, entusiasmo e alegria. Resta-nos aferir se semelhantes conquistas são para o bem comum ou para glórias passageiras de destaque particular.
Nas esferas comunitárias do Espiritismo cristão, em qualquer tempo ou lugar, será sempre mais honesto ouvir a expressão: mérito nosso, ao invés dos desgastados refrões: eu fiz, eu resolvi, eu quero.
Nos instantes de aferição grupal, adota o trio infalível oração, silêncio e trabalho.
Assim, certamente, o trabalho triunfará acima de nossos descuidos.
Ermance Dufaux

Mensagem psicografada pelo médium Wanderley Soares em 16 de outubro de 2003 na SED – Sociedade Espírita Ermance Dufaux, em Belo Horizonte – Minas Gerais

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

O PODER DAS ÁGUAS

Documentário citado em "Quem Somos Nós", que fala sobre o poder que a água tem em acumular vibrações. No livro ou no filme "Quem Somos Nós", vimos os cristais de água que se transformam ao serem expostos a estímulos como a palavra "amor", ou à música de Mozart, por exemplo. O Dr. Masaru Emoto é o autor dessa pesquisa sobre os cristais de água. Ele explica que a vibração dos pensamentos e as emoções mudam a estrutura da água. Levando em conta que a formação do corpo é em grande parte constituído por água, ele nos convida a ouvir suas idéias e diz: se os pensamentos e emoções conseguem fazer isto com a água, imagine o que podem fazer com você! Isso é uma prova cientifica do poder do nosso pensamento, portanto devemos vigiá-los e aprender a usar nossa força mental para nosso benefício e cura.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

APRENDA A TER QUALIDADE DE VIDA - Parte 2

Via de regra, as pessoas:


- Dormem mal...
- Não têm uma alimentação saudável...
- Não fazem exercícios físicos...
- Não têm tempo para a família...
- Estão "contaminados" pelo estresse do dia-a-dia...
- Ingerem bebida alcoólica em excesso...
- Irritam-se com facilidade...
- Estão distantes de Deus...


Onde está a qualidade de vida?
Como ser feliz, com tais compromissos?


Boa parte das pessoas, caso fizessem uma reciclagem no estilo de vida que levam, resolveriam metade de seus problemas.

Experimente:
- Fazer pelo menos uma refeição com a família reunida...
- Preocupar-se mais com a "queda" na sua qualidade de vida do que com a "queda" do dólar ou da Bolsa...
- Tirar férias de seus problemas...
Ter uma religião...


Por certo, se fizer essas mudanças, melhorará muito sua qualidade de vida.


Fonte: livro É HORA DE SER FELIZ, de Aguinaldo Paviani


quarta-feira, 28 de outubro de 2009

APRENDA A TER QUALIDADE DE VIDA - Parte 1


Um dos graves problemas da Humanidade, na atualidade é a falta de qualidade de vida.
Qualidade de vida não é sinônimo de ter dinheiro ou status, até porque há milionários, que possuem uma péssima qualidade de vida.
Se para ter qualidade de vida fosse necessário ter dinheiro, as pessoas ricas não ficariam tristes, não teriam depressão e não cometeriam suicídio.
Se a qualidae de vida estivesse associada a status e dinheiro, os países considerados de primeiro mundo (países ricos) seriam os melhores lugares para se viver.
Muitos dizem que se tivessem dinheiro seriam felizes, mas isso não é verdade.
Se fosse, os consultórios dos psicólogos e psiquiatras não seriam tão frequentados por quem tem dinheiro.
O dinheiro compra coisas, mas não pode comprar a felicidade.
O dinheiro proporciona conforto material, mas não consegue confortar a alma...
O dinheiro é algo bom, sem dúvida, mas não pode ser prioridade em sua vida.
A qualidade de vida está atrelada ao que você faz da sua vida e não ao que possui materialmente.
Grande parte das pessoas são infelizes porque não aprenderam, a ter qualidade de vida.
Conheço pessoas que têm muito dinheiro.
Em compensação, trabalham quinze horas por dia, nunca tiram férias, privam-se da companhia da família e vivem tensos com medo de um sequestro.

Não me cabe julgar mas fico a questionar:
Será que essas pessoas, apesar do dinheiro, são felizes?

Fonte: livro É HORA DE SER FELIZ, de Aguinaldo Paviani

terça-feira, 27 de outubro de 2009

A SÍNDROME DO SOBRENATURAL E O ORGULHO EXACERBADO


por Cristina Helena Sarraf

Por mais que o tempo tenha passado e o Espiritismo, trazendo a Lei dos Fluidos, tenha posto por terra tudo que fora considerado sobrenatural enquanto não tinha explicações adequadas, ainda se guarda, bem lá dentro, resquícios dessa crença. Que por ser crença, mesmo não racionalizada, caracteriza emoções, pensamentos e reações.
Numa observação mais atenta, dá para notar que se algo "alem do normal" está ocorrendo, há uma sensação de superioridade, de raridade e de exclusividade, que põe a pessoa acima dos demais simples mortais.
Talvez seja por isso que: "Ninguém teve uma gripe como a minha! Eu quase morri e só estou aqui pelas mãos de Deus"; "Outra pessoa não teria resistido! Você não imagina que Espírito terrível me atacou...Sou médium!"; "Você não tem uma família como a minha, e não sabe as lutas que temos! Só Deus é que sabe o que passamos de injustiças e sofrimentos, por causa de nossa honestidade." ...Parece que é bem difícil, ainda, ser semelhante aos outros, sem subir aquela sensação de inferioridade. Seria isso orgulho exacerbado? Parece que sim!
Daí essa necessidade de que, pelo menos algumas de nossas coisas, sejam sobrenaturais, mais importantes que as dos outros e destaquem-se do bloco, como passistas nas escolas de samba... Errado? Normal? Certo? Bobeira?
À luz do Espiritismo, só fomos iguais aos demais Espíritos no momento em que nos individualizamos do Elemento Espiritual Primitivo, ou seja, num imenso tempo atrás, quando, simples e ignorantes não tínhamos forma e nem conhecimento algum. Depois inicia-se o processo evolutivo e vamos, gradativamente, sendo diferentes dos demais. Diferentes mas semelhantes aos de nossa espécie. Esse é o grande lance da sabedoria divina: nossos semelhantes sentem, pensam e vivem de formas próximas as nossas, mas não exatamente iguais. Reside nessas pequenas ou grandes diferenças a notoriedade do que somos: indivíduos. Individualidades ímpares, exclusivas, únicas e importantes porque inigualáveis. Substituíveis, mas inigualáveis!
Seja o que for que façamos, o mais nobre ou o mais mesquinha, somos diferentes dos demais e sentir isso elimina essa tola necessidade de que coisas sobrenaturais nos destaquem e valorizem. Porque o valor de cada um está em ser si mesmo, a partir da profunda compreensão de sua natureza e características.
E melhorar-se nada tem a ver com copiar os outros e sim, com ser melhor em relação a si mesmo.

domingo, 25 de outubro de 2009

HUMBERTO DE CAMPOS

1886-1934

Humberto de Campos nasceu na pequena localidade de Piritiba, no Maranhão, em 25/101886.
Foi menino pobre. Estudou com esforço e sacrifício. Ficou órfão de pai aos 5 anos de idade. Sua infância foi marcada pela miséria. Em sua "Memórias", ele conta alguns episódios que lhe deixaram sulcos profundos na alma.
Tempo depois, mudou-se para o Rio de Janeiro, então Capital da República, onde se tornou famoso. Brilhante jornalista e cronista perfeito, suas páginas foram "colunas" em todos os jornais importantes do País.
Dedicou-se inteiramente à arte de escrever, e por isso eram parcos os recursos financeiros. A certa altura da sua vida, quando minguadas se fizeram as economias, teve a idéia de mudar de estilo.
Adotando o pseudônimo de Conselheiro XX, escreveu uma crônica chistosa a respeito da figura eminente da época - Medeiros e Albuquerque -, que se tornou assim motivo de riso, da zombaria e da chacota dos cariocas por vários dias.
O Conselheiro, sibilino e mordaz, feriu fundo o orgulho e a vaidade de Medeiros, colocando na boca do povo os argumentos que todos desejavam assacar contra Albuquerque. O sucesso foi total.
Tendo feito, por experiência, aquela crônica, de um momento para outro se viu na contingência de manter o estilo e escrever mais, pois seus leitores multiplicaram, chovendo cartas às redações dos jornais, solicitando novas matérias do Conselheiro XX.

Além de manter o estilo, Humberto se foi aprofundando no mesmo, tornando-se para alguns, na época, quase imortal, saciando o paladar de toda uma mentalidade que desejava mais liberdade de expressão e mais explicitude na abordagem dos problemas humanos e sociais.
Quando adoeceu, modificou completamente o estilo. Sepultou o Conselheiro XX, e das cinzas, qual Fênix luminosa, nasceu outro Humberto, cheio de piedade, compreensão e entendimento para com as fraquezas e sofrimentos do seu semelhante.
A alma sofredora do País buscou avidamente Humberto de Campos e dele recebeu consolação e esperança. Eram cartas de dor e desespero que chegavam às suas mãos, pedindo socorro e auxílio. E ele, tocado nas fibras mais sensíveis do coração, a todas respondia, em crônicas, pelos jornais, atingindo milhares de leitores em circunstâncias idênticas de provações e lágrimas.
Fez-se amado por todo o Brasil, especialmente na Bahia e São Paulo. Seus padecimentos, contudo, aumentavam dia-a-dia. Parcialmente cego e submetendo-se a várias cirurgias, morando em pensão, sem o calor da família, sua vida era, em si mesma, um quadro de dor e sofrimento. Não desesperava, porém, e continuava escrevendo para consolo de muitos corações.
A 5 de dezembro de 1934, desencarnou.
Partiu levando da Terra amargas decepções. Jamais o Maranhão, sua terra natal, o aceitou. Seus conterrâneos chegaram mesmo a hostilizá-lo.
Três meses apenas de desencarnado, retornou do Além, através do jovem médium Chico Xavier, este, com 24 anos de idade somente, e começou a escrever, sacudindo o país inteiro com suas crônicas de além-túmulo.
O fato abalou a opinião pública.
Os jornais do Rio de Janeiro e outros estados estamparam suas mensagens, despertando a atenção de toda gente. Os jornaleiros gritavam. Extra, extra! Mensagens de Humberto de Campos, depois de morto! E o povo lia com sofreguidão...
Agripino Grieco e outros críticos literários famosos examinaram atenciosamente a produção de Humberto, agora no Além. E atestaram a autenticidade do estilo. "Só podia ser Humberto de Campos!" - afirmaram eles.
Começou então uma fase nova para o Espiritismo no Brasil. Chico Xavier e a Federação Espírita Brasileira ganharam notoriedade. Vários livros foram publicados.

Aconteceu o inesperado. Os familiares de Humberto moveram uma ação judicial contra a FEB, exigindo os direitos autorais do morto!
Tal foi a celeuma, que o histórico de tudo isto está hoje registrado num livro cujo título é "A Psicografia ante os Tribunais", escrito por Dr. Miguel Timponi.
A Federação ganhou a causa. Humberto, constrangido, ausentou-se por largo período e, quando retornou a escrever, usou o pseudônimo de Irmão X.
Nas duas fases do Além, grafou 12 obras pelo médium Chico Xavier.
"Crônicas de Além-Túmulo", "Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho", "Boa Nova", "Novas Mensagens", "Luz Acima", "Contos e Apólogos" e outros foram livros que escreveu para deleite de muitas almas.
Nas primeiras mensagens temos um Humberto bem humano, com características próprias do intelectual do mundo. Logo depois, ele se vai espiritualizando, sutilizando as idéias e expressões, tornando-se então o escritor espiritual predileto de milhares.
Os que lerem suas obras de antes, e de depois, de morto, poderão constatar a realidade do fenômeno espírita e a autenticidade da mediunidade de Chico Xavier.
O mesmo estilo, o mesmo estro!

Fonte: Revista REFLEXÕES - Edição n.º 5 - Maio de 1999 - Fernandópolis/SP - Brasil

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

CIÚME


A presença do ciúme no teu comportamento é sinal de desequilíbrio.
O ciúme jamais será o sal temperado do amor.
Desconfiança e insegurança significam a manifestação do ciúme.
Quando ele se introduz na afetividade altera a paisagem dando surgimento
a pesadelos e perturbações prejudiciais.
Supera as insinuações ciumentas na tua conduta,
amando com tranquilidade e confiando em paz.
Se a pessoa amada não te corresponder à expectativa,
segue adiante, porque o prejuízo é dela.

Fonte: livro VIDA FELIZ, pelo Espírito Joanna de Ângelis

sábado, 17 de outubro de 2009

O PRÓXIMO É MEU IRMÃO


Quem é o nosso próximo?
Eis uma interrogação que ainda permanece para muitos, apesar dos séculos transcorridos, desde as explicações do Mestre Jesus na Parábola do Samaritano.
Por falta desse entendimento, por vezes deixamos de atender a um ou outro, crendo não ser nossa responsabilidade.
Possivelmente, no século XX, uma das criaturas que melhor tenha entendido sobre a identidade do próximo tenha sido a religiosa Madre Teresa.
Erigindo o Lar das Missionárias da Caridade, passou a atender os pobres mais pobres, iniciando em Calcutá, na Índia.
Conta-se que, num cair de tarde, em Calcutá, quando as ruas repletas, o trânsito confuso e as luzes da cidade a todos atraíam a atenção, ela e mais duas companheiras se dirigiram a um beco isolado, entre escuras vielas.
Naquele local, o turbilhão dos sons das buzinas, dos escapamentos dos carros e o burburinho das pessoas não chegavam senão como apagado eco.
O que ali havia eram somente os gemidos surdos dos que foram esquecidos pela multidão.
As três mulheres se aproximam do local. Os odores vindos do beco não as espantam. Em nome da fraternidade, rumam sempre mais adentro.
Teresa percebe a figura de um enfermo. É um homem, carcomido pelo câncer. A doença lhe devorara quase metade do corpo. Por todos era considerado um caso perdido.
Teresa se aproxima e começa a lavá-lo. A reação do enfermo é de desdém. Ele pergunta: Como você consegue suportar o mau cheiro do meu corpo?
Ela não responde, apenas sorri, prosseguindo na sua tarefa, com extrema delicadeza, como se estivesse a banhar um recém-nato.
A senhora não é daqui, fala o doente outra vez. Ninguém por aqui age como a senhora.
Os minutos passam e o enfermo está agora limpo. Ante a dor que lhe agonia as carnes, numa típica expressão indiana, exclama: Glória a ti, mulher! Não, responde Madre Teresa. Glória a você, que sofre com o Cristo.
Ele sorri. Ela também. Uma sensação de alívio se estampa na face do doente terminal.
As Missionárias da Caridade o recolhem no lar que, para tais criaturas, edificaram em Calcutá. Dois dias depois, entre atenções e preces, em um leito asseado, o moribundo despede-se da vida física.
O próximo é sempre aquele que tem a necessidade mais premente, no momento.
Por vezes, é o próximo mais próximo, no próprio lar, na vizinhança, no ambiente de trabalho. De outras, é alguém que aguarda o gesto de amparo do Samaritano que transite por onde ele se encontra.
Partir em busca da dor para acalmá-la é atitude de quem se assenhoreou das palavras do Evangelho e tendo-as abrigado na intimidade do ser, vive-as na essência.
Nem sempre os maiores necessitados são os que buscam socorro, desde que outros não o fazem por vergonha ou por não disporem de condições mínimas para a solicitação.
São os acamados que permanecem em seus casebres, os deficientes da fala que não conseguem se expressar, e tantos outros...
O próximo é o nosso irmão, ao nosso lado ou distante, desde que somos todos filhos do mesmo Pai.
Madre Teresa de Calcutá estendeu o seu trabalho de amor por quase todo o mundo.
A convite dos governantes de diferentes nações, ela abriu suas casas de caridade nos mais distantes países.
Assim, a meta das Missionárias da Caridade e de suas colaboradoras é buscar a dor onde se asile e atender o carente mais carente.

Redação do Momento Espírita, com base no artigo Vozes do Espírito, publicado no Boletim SEI nº 1549 de 06/12/1997.boradoras é buscar a dor onde se asile e atender o carente mais carente.
(mensagem enviada por e-mail pela Bia)